quarta-feira, 22 de outubro de 2008


Querida vovó,


Estou preocupada. As coisas não vão tão bem como eu imaginava aqui em casa. A senhora vai me condenar por isso, mas sem querer acabei lendo algumas linhas de uma carta, quando separava a correspondência de tio Andrew. Parece que ele está devendo dinheiro a um homem de sobrenome Stockton, que já veio à cidade algumas vezes e não é nenhum exemplo de honestidade. Acredita que ele insinuou que usaria de meus favores enquanto tio Andrew não arruma o dinheiro?

Tenho medo que tia Prudence tome conhecimento dessa história; sua saúde já está tão frágil... Simon também nada sabe e eu prefiro não lhe dizer ainda. O humor dele só piorou, com a semana de tratamento em Londres, mas acho que a companhia de Amelia, ao retornar, lhe fez bem. Ela consegue fazê-lo rir de uma maneira que eu jamais consegui. Deve ser por causa de seu jeito despreocupado, sua maneira de rir da vida. Pelo menos ela o faz feliz.

Dia desses, recebi um convite para o baile do festival. Estava considerando a proposta, mas agora acho que devo fazer companhia ao detestável Sr. Stockton. Não que meu tio vá me pedir isso, mas prefiro me oferecer a vê-lo se constranger diante do tratante. Dessa maneira, terei que recusar o gentil pedido de Phillip, que, apesar de as pessoas viverem dizendo que é um chato pomposo, é um bom rapaz. É diferente da irmã, que não diz meias nem palavras demais. Definitivamente não merecia a recusa que eu terei que lhe oferecer.

Espero poder mandar-lhe boas notícias em breve, vovó.


Elise

8 comentários:

Bruno Malveira disse...

Coitado do Phillip...
Se eu fosse ele saía pras porradas com esse Patrick aí.

Paulinho disse...

Coisa boua rapais, sair na porrada com agiota... Tem pouco capanga.

Thais Michele Rosan disse...

Tadinha da moça...

Se sacrificar pelo tio =/
Esses homens....


adorei a carta!

beijo

Gaby Soncini disse...

Bela Carta.

Grande beijo.

D.Ramírez disse...

:)

Magna Santos disse...

Elise, espero que você também não me condene, mas, sem querer, acabei lendo sua carta para vovó. Desculpe-me. Confesso-me publicamene e publicamente opino: sua tia Prudence não é tão frágil quanto você imagina; o mau humor de Simon bem que poderia lhe ajudar com o Sr. Stockton. Enfim, a situação não é tão obscura quanto parece. Além do mais, dignidade não se constrói em um único dia, tio Andrew haverá de achar uma saída mais honrosa.
Sem mais,
Candice

Obs.: desculpem, mas não resisti...isso pega. Parabéns pela idéia. Adorei!

D.Ramírez disse...

Voltando com tempo...li a carta adorei..de tão boa, nem sei se é criação ou real....oq é?
bsos

Magna Santos disse...

Elise, eu novamente. Ontem tive um sonho e acordei ao mesmo tempo, assustada e feliz. Sonhei, na verdade, uma lembrança real: quando você tinha 2 anos de idade, estava sozinha comigo, brincando com bolinhas de gude. Saí por um instante para atender um telefonema...foi apenas 2 minutos. Quando voltei, qual não foi o meu susto: você, arroxeada e desfalecendo. Chamei seu nome e você não atendia, não abria os olhos, nada. Gritei por Deus e saí com você nos braços correndo pela rua, pois não sabia o que fazer. Nossa, naquele dia ocorreu um milagre: um médico que por ali passava casualmente viu o meu olhar de desespero e prontamente te pegou nos braços, fez umas manobras incompreensíveis para mim e...uma bolinha de gude saiu com velocidade da sua garganta. Íamos te perder naquele dia se não fosse aquele médico...e pensar que nem agradeci. Ele era conhecido por todos como uma pessoa boa, simples e que costumava dizer: "eu não estou sozinho, Deus me acompanha". Creio que Deus mandou um recado para ele naquele dia. Creio que Deus também me mandou um recado: para nunca deixar você desfalecer. E é por isso que escrevo: tenha fé!
Beijo!
Sem mais,
Candice