sábado, 8 de novembro de 2008


Estimado compadre Comodoro Rudolph Gallagher,


É com transbordante júbilo que vos escrevo depois de tanto tempo, ainda que de maneira meramente noticiosa, sem mo aprofundar em minúcias mais capilares. Venho, com muito gáudio, através desta, lho convidar para a Festa da Colheita da cidade. Naturalmente não está à altura da vossa distinta presença, seria impossível comparar aos eventos sociais que pudestes freqüentar, sempre em casas e clubes da melhor sociedade.

Todavia, não deixa de ser uma oportunidade excelsa para se fazer negócios. Tenho, no decorrer desses anos todos, administrado os seus interesses da minha melhor maneira, entretanto, vossa presença se faz muito útil nesse momento. Creio que um toque brilhante de vossa genialidade peculiar daria o impulso extra de que carecemos, e a conjuntura é por demais oportuna.

Ademais, o vosso afilhado Robert, que deveria mo auxiliar nessas tarefas, toma-me tempo em demasia. Estive a prepará-lo, afinal, um dia ele herdará o legado dos Lancaster. Junta-se a isto o preço alto que nos é cobrado inexoravelmente pelo tempo. Já não sou mais aquele mesmo dos nossos saudosos tempos de estudo, de sorte que estou a precisar de um apoio.

Encarrego Robert dos pormenores, afinal, para alguma coisa ele deve servir. Basta que mo informe apenas o dia e a hora de sua chegada. Certamente seria dispensável dizer que mo regojizaria muito lho hospedar em nossa casa, mas faço questão de reiterar o convite.

Sem mais para o momento, reitero protestos de elevado apreço e consideração.

Atenciosamente, Noah Lancaster.


6 comentários:

Marina disse...

Meio rígido ele, não? E mais pomposo que Phillip. Gostei muito da carta.

Marcella *-* disse...

Muito legal!!!

Thais Michele Rosan disse...

A carta está ótima!!

Nota-se o interesse de Noah (eu adoro esse nome aiahau)

Beijos

Gaby Soncini disse...

Nossa que brilhante escrita.

Ótima carta adorei.

Beijos.

Kamilla disse...

Eu também gostei mutio! Ficou muito legal a escrita.

=)

D.Ramírez disse...

E de pensar que com esse novo português seremos, para essa pequena geração, cahamdos de antigo. Como nessa época em que Farmácia se escrevia com PH...no mais..bela carta.
Besos